NOTÍCIA

Dezembro Vermelho: Campanha Nacional de Prevenção ao HIV/Aids e outras Infecções Sexualmente Transmissíveis

Neste dia 1º de dezembro é celebrado o Dia Mundial de Combate à AIDS. A data serve para conscientizar sobre a doença, iniciando o dezembro vermelho.

Segundo dados da UNAIDS divulgados em 2021, cerca de 38,4 milhões de pessoas no mundo todo vivem com HIV.

O Dia Mundial de Combate à AIDS surgiu em outubro de 1987, sendo criado por uma assembleia promovida entre Organização Mundial da Saúde (OMS) e Organização das Nações Unidas

(ONU).

O “Dezembro Vermelho”, campanha instituída pela Lei nº 13.504/2017, marca uma grande mobilização nacional na luta contra o vírus HIV, a Aids e outras IST (infecções sexualmente transmissíveis), chamando a atenção para a prevenção, a assistência e a proteção dos direitos das pessoas infectadas como HIV.

Aids:

Aids é a doença causada pela infecção do Vírus da Imunodeficiência Humana (da sigla em inglês HIV). Esse vírus, do tipo retrovírus, ataca o sistema imunológico, que é o responsável por defender o organismo de doenças. As células mais atingidas são os linfócitos T CD4+. O vírus é capaz de alterar o DNA dessa célula e fazer cópias de si mesmo. Depois de se multiplicar, rompe os linfócitos em busca de outros para continuar a infecção.

Transmissão:

Os pacientes soropositivos, que têm ou não Aids, podem transmitir o vírus a outras pessoas pelas relações sexuais desprotegidas, pelo compartilhamento de seringas contaminadas ou de mãe para filho durante a gravidez e a amamentação, quando não tomam as devidas medidas de prevenção. Por isso, é sempre importante fazer o teste e se proteger em todas as situações.

Tratamento:

Todas as pessoas diagnosticadas com HIV têm direito a iniciar o tratamento com os medicamentos antirretrovirais, imediatamente, e, assim, poupar o seu sistema imunológico. Esses medicamentos (coquetel) impedem que o vírus se replique dentro das células T CD4+ e evitam, assim, que a imunidade caia e que a Aids apareça.

Infecções Sexualmente Transmissíveis:

As Infecções Sexualmente Transmissíveis são causadas por vírus, bactérias ou outros microrganismos. São transmitidas, principalmente, por meio do contato sexual (oral, vaginal, anal) semo uso de preservativo masculino ou feminino, com uma pessoa que esteja infectada.

De maneira menos comum, as IST também podem ser transmitidas por meio não sexual, pelo contato de mucosas ou pele não íntegra com secreções corporais contaminadas.

A transmissão de uma IST pode acontecer, ainda, da mãe para a criança durante a gestação, o parto ou a amamentação. O tratamento das pessoas com IST melhora a qualidade de vida e interrompe a cadeia de transmissão dessas infecções. O atendimento e o tratamento das IST e do HIV/Aids são gratuitos nos serviços de saúde do SUS.

O termo Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) passou a ser adotado em substituição à expressão Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), porque destaca a possibilidade de uma pessoa ter e transmitir uma infecção, mesmo sem sinais e sintomas.

Principais IST:

– Herpes genital; – Cancro mole (cancroide); – HPV; – Doença Inflamatória Pélvica (DIP); – Donovanose; – Gonorreia e infecção por Clamídia; – Linfogranuloma venéreo (LGV); – Sífilis; – Infecção pelo HTLV; – Tricomoníase.

A AIDS é grave e impacta na qualidade de vida do indivíduo devido aos seus sintomas ao longo dos anos. Inicialmente, a doença causa sintomas clássicos da gripe como febre e mal-estar e, por isso, pode não haver uma procura precoce do médico para o problema. Porém, com o passar do tempo, o avanço da doença vai promovendo a piora gradativa do quadro de saúde do indivíduo.

Não existe cura para a AIDS. Sendo assim, o tratamento é realizado por um coquetel com uma série de medicamentos. As diretrizes brasileiras e mundiais pontuam que a recomendação do coquetel deve ocorrer quando as células CD4 estiverem em níveis acima de 350. Com taxas entre 200 e 350, a decisão de introdução dos remédios deve ser realizada com o médico, dependendo do caso. Inclusive, entre os efeitos colaterais do coquetel, pode ocorrer tonturas, diarreia e enjoo.

Prevenção da Aids/HIV e das IST:

O uso do preservativo (masculino ou feminino) em todas as relações sexuais (orais, anais e vaginais) é o método mais eficaz para evitar a transmissão das IST, do HIV/Aids e das hepatites virais B e C.

A prevenção combinada abrange o uso do preservativo masculino ou feminino, ações de prevenção, diagnóstico e tratamento das IST, testagem para HIV, sífilis e hepatites virais B e C, profilaxia pós- exposição ao HIV, imunização para HPV e hepatite B, prevenção da transmissão vertical de HIV, sífilis e hepatite B, tratamento antirretroviral para todas as pessoas vivendo com HIV, redução de danos, entre outros.

“A vida é mais forte que a AIDS, previna-se para evitar uma doença tão severa”

(Comissão de Direito Médico e da Saúde OAB NITERÓI)

#advogado #advocacia #oabrj #oabniteroi #esaniteroi #cfoab #caarj