ARTIGO – Comissão de Gestão e "Coaching" Jurídico da OAB Niterói

VENÇA OS DESAFIOS DA CARREIRA JURÍDICA

Data da Publicação: 26 de Agosto de 2020

O mundo mudou, a advocacia mudou e nós não podemos ficar parados. Avançar é preciso.

Neste artigo vamos abordar algumas ferramentas que podem auxiliar os colegas advogados a alcançarem o sucesso na “nova” advocacia.

Ferramentas de "Coaching" para auxiliar advogados na gestão do escritório nesse novo normal.

O "coaching" pode ser entendido como metodologia para acelerar resultados e aumentar a performance de pessoas e de empresas. Neste sentido, esta metodologia se alia a várias áreas do conhecimento, como Administração de Empresas, Psicologia, Programação Neurolinguística, entre outras.

Há muito mais de uma centena de ferramentas que podem ser úteis e destacamos duas, sem prejuízo de, em outra oportunidade, trazermos outras de igual relevância.

Teste dos Sabotadores (ferramenta com ênfase na introspecção para aumentar resultados):

O "best seller" “Inteligência Positiva”, de Shizard Chamine, traz uma abordagem comprovadamente eficaz de análise da forma como o nosso pensamento pode nos auxiliar ou nos prejudicar. Segundo o autor, todos temos de nove a dez sabotadores em determinado nível e, de acordo com a nota que aferimos (de zero a 10) através de um teste gratuito, podemos analisar o impacto dos mesmos em nós e nas pessoas que nos rodeiam, seja no meio corporativo ou pessoal.

Dentre eles, podemos destacar alguns para ilustração:

a) Insistente ou Perfeccionista: Quando o nível deste sabotador está entre os mais elevados, a pessoa tende a ser mais inflexível, a exigir sempre elevados altos padrões de desempenho, tende a achar que existe um jeito certo óbvio e um jeito errado óbvio de fazer algo e que ela sabe o jeito certo. Essa necessidade exacerbada de busca pela perfeição acaba diminuindo a produtividade e aumentando a ansiedade, prejudicando mais do que auxiliando. Quando um líder tem essa característica, ele tende a contagiar sua equipe de colaboradores e aumenta a tensão nas relações interpessoais;

b) Prestativo: A prestatividade pode parecer uma qualidade e não um sabotador, mas em excesso acaba atrapalhando mais do que ajudando. Por exemplo, quando um líder acaba ajudando todos os seus colaboradores e deixando suas tarefas para depois, ele está, normalmente, sendo excessivamente prestativo. Quando, por exemplo, entendemos que temos dado mais tempo para projetos e demandas alheios e menos para os nossos sonhos e projetos, provavelmente estamos desenvolvendo um quadro de prestatividade acima do que deveríamos. Esse excesso, além de causar um ressentimento pelo pouco tempo dedicado ao que realmente nos importa, acaba acarretando uma dependência daqueles que estão sendo excessivamente auxiliados, sendo prejudicial para ambos;

c) Esquivo: Esse sabotador, quando em excesso, acaba acarretando muita tensão e ansiedade. Normalmente a pessoa que o tem em demasia procura evitar conflitos entre as pessoas que o cercam ou evitar situações desagradáveis, procrastinando tarefas e/ou interações não prazerosas. Ocorre que situações desafiantes não resolvidas não costumam desaparecer e tendem a aumentar. Alguns problemas que são importantes, por não terem sido resolvidos no momento adequado, tornam-se urgentes ou se agravam. Quando esse sabotador está presente em uma equipe, normalmente os prazos ficam muito justos e há uma tendência de aumentar a tensão e ansiedade, diminuindo a produtividade e assertividade.

Além desses, temos outros sabotadores que são igualmente danosos, seja no âmbito pessoal ou profissional. Ao advogado, recomendamos que faça o teste e avalie os resultados, procurando minimizar pelo menos dois dos maiores sabotadores que apurar, após a realização do teste, oferecido de forma gratuita no sítio da editora Companhia das Letras: www.companhiadasletras.com.br/testeinteligenciapositiva/.

Aplicar esse teste com a equipe de colaboradores pode ser útil para averiguar oportunidades de melhoria em cada um, isoladamente considerado, ou nas equipes, caso os sabotadores sejam comuns ou impactem um determinado processo de trabalho.

Outra ferramenta, muito utilizada nos processos de "coaching" para advogados e escritórios é a ferramenta S.M.A.R.T., que se origina do acrônimo:

“S.” vem do inglês “specific” (específico) – neste tópico procuramos delimitar e especificar o objetivo; lembre-se do aprendizado da frase “quando não sabemos para onde estamos indo, qualquer caminho serve”;

“M” vem do inglês “mensurable” (mensurável) – além de especificar, é muito interessante estabelecer uma métrica para saber se estamos no caminho certo ao longo do tempo e quanto estamos evoluindo. Métricas intermediárias são direcionadores fundamentais;

“A” vem do inglês “achievable” (alcançável) – após a definição das métricas é de igual importância a visualização do final do caminho e a avaliação se é possível alcançá-lo com os recursos que temos;

“R” vem do inglês “relevant” (relevante) – não poucas vezes indivíduos e equipes empregam tempo em realizar tarefas de menor importância e de menor resultado. Avaliar a relevância das ações nos auxilia a priorizar as tarefas mais importantes e deixar as menos importantes para um segundo momento;

“T” – “timebound” ou “timed” (temporal) – por fim, toda ação demanda tempo, em minutos, em horas ou em dias. É fundamental estimar se os prazos previstos são adequados ao projeto ou aos objetivos especificados anteriormente. Nesta análise podemos concluir se os prazos estão adequados, inferiores ao razoável ou superestimados.

Essa ferramenta é fundamental para demarcar objetivos pessoais ou profissionais, individuais ou coletivos e aumentar sensivelmente a possibilidade de êxito. Após a aplicação dessa técnica é fundamental anotar os aprendizados e as ações necessárias para se atingir as metas estabelecidas. Qualquer projeto, alteração no escritório ou no relacionamento com a clientela, por exemplo, pode ser submetido a uma análise S.M.A.R.T.

Como dissemos, existem outras ferramentas igualmente úteis para a gestão pessoal ou do escritório dos colegas advogados. Em um outro momento poderemos trazer outras delas, bem como elas podem ser úteis aos colegas de advocacia.


Comissão de Gestão e "Coaching" Jurídico da OAB Niterói

Presidente: Gisele Bastos Vieira Marins

Delegados: Alberto Veiga Marins, Vicente Bruno Filho, Fernando Camargo Soares Neto e Marcella Coutinho Dias da Costa

Colaboradoras: Ana Lúcia Araújo Martelo Lucas (Psicóloga e especialista em Inteligência Emocional), Júlia Helena de Lima Cardoso (Especialista em posicionamento de marcas e mídias sociais)